Notícias

20 minutos de contato com a natureza diminuem os níveis de hormônio do estresse

Pesquisa pioneira demonstra benefício real do contato com a natureza para a fisiologia humana

Um passeio agradável na mata, uma “pílula da naturezal”, reduz consideravelmente os níveis de hormônio do estresse. © robsonphoto / Fotolia

Reservar pelo menos vinte minutos do seu dia para passear ou sentar em um lugar que faz com que você se sinta em contato com a natureza reduzirá significativamente os níveis de hormônio do estresse. Essa é a conclusão de um estudo que estabeleceu pela primeira vez a dose mais eficaz de uma experiência de natureza urbana. Profissionais de saúde podem usar essa descoberta, publicada em Frontiers in Psychology, para prescrever “pílulas da natureza”, sabendo que elas têm um efeito real mensurável.

“Sabemos que passar tempo na natureza reduz o estresse, mas até agora não ficou claro qual quantidade de tempo é suficiente, com que frequência fazê-lo ou até mesmo que tipo de experiência com a natureza nos beneficiará”, diz a Dra. MaryCarol Hunter, professora associada a Universidade de Michigan e principal autor desta pesquisa. “Nosso estudo mostra que, para o maior retorno, em termos de redução eficiente dos níveis de cortisol, o hormônio do estresse, você deve passar de 20 a 30 minutos sentado ou andando em um local que lhe proporcione um senso da natureza.”

Um remédio gratuito e natural para aliviar o estresse

As “pílulas da natureza” podem ser uma solução de baixo custo para reduzir os impactos negativos à saúde decorrentes da crescente urbanização e dos estilos de vida internos dominados pela visualização de telas. Para ajudar os profissionais de saúde a buscar diretrizes baseadas em evidências sobre o que exatamente dispensar, Hunter e seus colegas planejaram um experimento que forneceria uma estimativa realista de uma dose efetiva.

Durante um período de 8 semanas, os participantes foram convidados a tomar uma “pílula da natureza” com uma duração de 10 minutos ou mais, pelo menos 3 vezes por semana. Os níveis de cortisol, um hormônio do estresse, foram medidos a partir de amostras de saliva tomadas antes e depois de uma pílula natural, uma vez a cada duas semanas.

“Os participantes eram livres para escolher a hora do dia, a duração e o local de sua experiência com a natureza, que era definida como em qualquer lugar externo, que segundo a opinião do participante, fazia com que eles sentissem que interagindo com a natureza. Houve algumas restrições para minimizar fatores conhecidos por influenciar o estresse: tomar a pílula da natureza à luz do dia, sem exercícios aeróbicos, e evitar o uso de mídias sociais, internet, telefonemas, conversas e leitura”, explica Hunter.

Ela continua: “Construir flexibilidade pessoal para o experimento nos permitiu identificar a duração ideal de uma pílula natural, não importando quando ou onde ela é tomada e, sob as circunstâncias normais da vida moderna, com sua imprevisibilidade e programação agitada”.

Para se adequar aos estilos de vida mais ocupados, enquanto também fornece resultados significativos, o design experimental foi novo em outros aspectos também.

“Nós acomodamos as diferenças do dia a dia no estado de estresse de um participante, coletando quatro amostras da mudança de cortisol devido a uma pílula da natureza”, diz Hunter. “Isso também nos permitiu identificar e explicar o impacto da queda contínua e natural do nível de cortisol com o passar do dia, tornando a estimativa da duração efetiva mais confiável.”

A natureza vai nutrir

Os dados revelaram que apenas uma experiência de natureza de vinte minutos foi suficiente para reduzir significativamente os níveis de cortisol. Mas se você passasse um pouco mais de tempo imerso em uma experiência na natureza, de 20 a 30 minutos sentado ou caminhando, os níveis de cortisol caíam em sua maior taxa. Depois disso, os benefícios adicionais de redução de estresse continuam a aumentar, mas a um ritmo mais lento.

“Profissionais de saúde podem usar nossos resultados como uma regra prática baseada em evidências sobre o que colocar em uma prescrição da pílula da natureza”, diz Hunter. “Ele fornece as primeiras estimativas de como as experiências da natureza impactam os níveis de estresse no contexto da vida cotidiana normal. Isso abre novos caminhos ao abordar algumas das complexidades da medição de uma dose eficaz da natureza.” Hunter espera que este estudo seja a base de mais pesquisas nessa área.

“Nossa abordagem experimental pode ser usada como uma ferramenta para avaliar como a idade, gênero, sazonalidade, capacidade física e cultura influenciam a eficácia das experiências da natureza no bem-estar. Isso permitirá prescrições personalizadas da pílula natural, bem como uma visão mais profunda de como para projetar cidades e programas de bem-estar para o público.”

Frontiers