Notícias

Arqueólogos encontram evidências arqueológicas de conquistadores babilônios em Jerusalém

Brincos, flechas e outros artefatos recontam o evento histórico retratado na Bíblia

Flecha do tipo cita encontrada na escavação. Foto: Mt Zion Archaeological Expedition/Virginia Withers

Uma equipe de pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte (UNC) em Charlotte, que atua na escavação arqueológica no Monte Sião, em Jerusalém, anunciou uma segunda descoberta significativa da temporada de 2019 — eles encontraram evidências claras da conquista da cidade pela Babilônia, entre os anos de 587 e 586 aC.

A descoberta é de um depósito que inclui camadas de cinzas, pontas de flechas que datam do período, cacos da Idade do Ferro, luminárias e uma importante peça de joalheria do período —  um brinco de ouro e prata. Também há sinais de uma estrutura importante da Idade do Ferro na área, mas o prédio, que está sob camadas de períodos posteriores, ainda não foi escavado.

O projeto arqueológico do Monte Sião está em operação há mais de uma década e fez inúmeras descobertas significativas relacionadas aos muitos períodos históricos da cidade de Jerusalém, incluindo o anúncio feito em julho de 2019 sobre evidências relativas ao saque da cidade durante a Primeira Cruzada. A nova descoberta é uma das mais antigas e talvez a mais importante em seu significado histórico, pois a conquista babilônica de Jerusalém é um momento importante na história judaica.

A equipe acredita que o depósito recém-encontrado pode ser datado do evento específico da conquista por causa da mistura única de artefatos e materiais encontrados — cerâmica e lâmpadas, lado a lado com evidências do cerco babilônico, representado por madeira queimada, cinzas e várias pontas de flechas de bronze e ferro do tipo cita, típicas desse período.

Por conta da localização do sítio arqueológico, várias explicações alternativas para os artefatos podem ser eliminadas, argumentam os pesquisadores. “Sabemos onde era a antiga linha de fortificação”, observa Shimon Gibson, professor da UNC em Charlotte e um dos coordenadores do projeto.  “Com isso, sabemos que estamos realmente dentro da cidade. Sabemos também que essa não é uma área de despejo qualquer, mas sim o bairro sudoeste da cidade — durante o século 8 a.C, a área urbana se expandiu da área ‘Cidade de Davi’ ao sudeste e até a Colina Ocidental, onde estamos escavando.”

Os depósitos de cinzas, da mesma forma, não são evidências conclusivas do ataque da Babilônia por si só, mas dizem muito mais no contexto geral, combinados com outros materiais.

“Para arqueólogos, uma camada de cinza pode significar várias coisas diferentes”, conta Gibson. “Podem ser depósitos de cinzas removidas de fornos, ou pode ser queima de lixo localizada. No entanto, neste caso, a combinação de uma camada de cinzas cheia de artefatos, misturada com pontas de flechas e um ornamento muito especial indica algum tipo de devastação e destruição. Ninguém abandona joias de ouro e ninguém tem pontas de flecha no lixo doméstico “.

“As pontas das flechas são conhecidas como ‘pontas de flechas citas’ e foram encontradas em outros sítios arqueológicos de conflito dos séculos 7 e 6 aC. Elas também são conhecidas em sítios fora de Israel. Elas eram bastante comuns nesse período e são conhecidas por serem usadas pelos guerreiros babilônios. Juntas, essas evidências apontam para a conquista histórica da cidade pela Babilônia, porque a única grande destruição que temos em Jerusalém nesse período é a conquista de 587/586 a.C”, afirma.

Os artefatos de argila também ajudam a datar a descoberta. As lâmpadas, diz Gibson, são as lâmpadas de base alta, típicas do período.

“É o tipo de confusão que se esperaria encontrar em uma casa arruinada após um ataque ou batalha”, diz Gibson. “Objetos domésticos, luminárias, pedaços de cerâmica que foram derrubados e quebrados, pontas de flechas e uma joia que poderia ter sido perdida e enterrada na destruição.”

“Joias são raras em locais de conflito, porque são exatamente o tipo de coisa que os atacantes roubam e depois derretem.”

“Gosto de pensar que estamos escavando dentro de uma das ‘casas dos grandes’ mencionadas no segundo livro de Reis, 25:9”, especula Gibson. “Este local estaria em um local ideal, situado próximo ao cume ocidental da cidade, com uma boa vista para o Templo de Salomão e o Monte Moriá, a nordeste. Temos grandes expectativas de encontrar muito mais sobre a cidade da Idade do Ferro nas próximas temporadas de trabalho.”

O prédio que aparentemente faz parte da camada ainda não foi escavado. “Pode-se perguntar por que não escavamos o prédio inteiro”, Gibson admite. “O motivo é que estamos derrubando o local lentamente, nível por nível, período por período, e no final desta última temporada de escavação, dois metros de estruturas domésticas dos períodos bizantino e romano posteriores ainda precisam ser escavados. Planejamos seguir com isso na temporada 2020 “.

A inesperada e rara joia encontrada é aparentemente uma borla ou um brinco, com uma parte superior de ouro em forma de sino. Abaixo, está uma peça de prata, feita na forma de um cacho de uvas. Gibson observa que essa descoberta “é única, e também uma indicação clara da riqueza dos habitantes da cidade no momento do cerco”. A única outra descoberta de joias em Jerusalém desse período foi feita muitos anos atrás, em 1979, em uma tumba da Idade do Ferro em Ketef Hinnom, fora da cidade.

Brincos são artefatos raramente encontrados em cenas de batalha, o que faz a descoberta ainda mais especial. Foto: Mt Zion Archaeological Expedition/Rafi Lewis

Os pesquisadores dizem que encontrar evidências de um evento histórico crítico é o que torna a descoberta particularmente especial. Rafi Lewis, outro co-diretor do projeto, explica que “é muito emocionante poder escavar a assinatura material de qualquer evento histórico, e ainda mais sobre um evento importante, como o cerco babilônico de Jerusalém”.

Pelos relatos, a conquista babilônica da cidade pelo rei Nabucodonosor resultou em uma grande perda de vidas, com a destruição da cidade, o incêndio de casas e a pilhagem e desmontagem do Templo do rei Salomão. O governante local do reino de Judá, rei Zedequias, tentou fugir da cidade com sua comitiva, mas acabou sendo capturado e levado prisoneiro para a Babilônia.

A Bíblia hebraica relata a fome e o sofrimento que os habitantes de Jerusalém sofreram durante o longo cerco babilônico da cidade: “E a cidade foi sitiada até ao undécimo ano do rei Zedequias. Aos nove do mês quarto, quando a cidade se via apertada pela fome, nem havia pão para o povo da terra. Então a cidade foi invadida, e todos os homens de guerra fugiram de noite pelo caminho da porta entre os dois muros… E [Nebuzaradan, capitão de guerra babilônico] queimou a casa do Senhor e a casa do rei, como também todas as casas de Jerusalém, e todas as casas dos grandes queimou”. (2 Reis 25:1-9)

O cerco babilônico de Jerusalém durou um bom tempo, apesar de muitos habitantes desejarem se render. “O rei Zedequias simplesmente não estava disposto a prestar homenagem a Nabucodonosor, e o resultado direto disso foi a destruição da cidade e do templo”, conta Gibson.

Todos os anos, judeus religiosos em Jerusalém e em todo o mundo rezam e jejuam em memória da destruição do templo judaico em Jerusalém, primeiro pelos babilônios em 587/586 a.C, resultando no exílio dos habitantes da cidade para Babilônia, e mais uma vez em 70  d.C, nas mãos das legiões romanas lideradas por Tito. Para lembrar a destruição devastadora do templo, os judeus se reúnem em sinagogas ao redor do mundo e na praça do Muro das Lamentações em Jerusalém, para orar e lamentar no Tisha B ‘Av (o nono dia do mês hebraico de Av) de acordo com o calendário judaico, que, este ano, foi em 11 de agosto.

O sítio está dentro do parque “Sovev Homot”, administrado pela Israel Nature and Parks Authority. Outros remanescentes da cidade, de vários períodos diferentes, foram descobertos durante a temporada de 2019, incluindo porões abobadados da época de Herodes, o Grande; uma rua bizantina que era a continuação a sudoeste da principal rua da cidade conhecida como Cardo Maximus; e uma vala de defesa afundada que ficava em frente das fortificações que impediram os ataques dos cruzados em 1099.

A complexa sequência arquitetônica de estruturas sobrepostas que data de mais ou menos 3000 anos está sendo cuidadosamente mapeada por uma equipe de registradores e desenhistas liderados por Steve Patterson. A Universidade da Carolina do Norte em Charlotte realiza escavações arqueológicas em Jerusalém desde 2006 e muitas informações históricas e arqueológicas vitais foram extraídas dessas operações.

Universidade da Carolina do Norte em Charlotte