Notícias

Cachorros conseguem farejar câncer de pulmão com 97% de eficácia

Descoberta pode levar a novos métodos de detecção da doença, mais baratos e confiáveis

Foto: Unsplash

Três cães da raça beagle se mostraram capazes de identificar com sucesso indícios de câncer de pulmão através do aroma, no que pode ser um primeiro passo para a identificação de biomarcadores específicos da doença. Os pesquisadores envolvidos no estudo dizem que as habilidades dos cães podem levar ao desenvolvimento de meios eficazes, seguros e baratos para o rastreamento do câncer em grande escala.

Após oito semanas de treinamento, os beagles — escolhidos por sua genética dotada de receptores olfativos extremamente sensíveis — foram capazes de distinguir entre amostras de soro sanguíneo de pacientes com câncer maligno de pulmão e amostras saudáveis de controle, com 97% de precisão. O estudo duplo cego vai ser publicado na edição de julho da revista científica The Journal of the American Osteopathic Association.

“Estamos usando os cães para meio que separar as camadas de odores até identificarmos os biomarcadores que denunciam o câncer”, diz Thomas Quinn, professor do Lake Erie College of Osteopathic Medicine e principal autor do estudo. “Ainda há muito trabalho pela frente, mas estamos fazendo um bom progresso.”

Os cães foram levados para uma sala onde havia amostras de soro sanguíneo, colocadas à altura de seus focinhos. Algumas amostras vieram de pacientes com câncer de pulmão; outras foram tiradas de controles saudáveis. Depois de cheirar cuidadosamente uma amostra, os cães sentavam-se para indicar uma descoberta positiva para o câncer, ou seguiam em frente se nada fosse detectado.

Quinn e sua equipe estão em fase de conclusão de uma segunda etapa do estudo. Desta vez, os cães estão trabalhando para identificar câncer de pulmão, de mama e colo-retal, usando amostras respiratórias do paciente, coletadas através da respiração em uma máscara facial. Os pesquisadores afirmam que as descobertas até agora sugerem que a eficácia apresentada pelos cães nesse método é tão boa quanto a registrada na detecção a partir do sangue.

O próximo passo será fracionar ainda mais as amostras com base nas propriedades químicas e físicas, apresentando-as de novo aos cães até que os biomarcadores específicos para cada câncer sejam identificados. O objetivo é desenvolver um produto de teste sem receita, similar a um teste de gravidez, em termos de custo, simplicidade e disponibilidade. Quinn pensa em um dispositivo em que alguém possa respirar e uma mudança de cor indicaria uma descoberta positiva ou negativa.

Diagnóstico precoce é a chave

O câncer de pulmão é a principal causa de morte por câncer em todo o mundo, tanto para homens como para mulheres, e mais de 200.000 pessoas anualmente nos Estados Unidos são diagnosticadas com a doença. A taxa de sobrevida em cinco anos para o câncer de pulmão de células não pequenas (CPNPC), no estágio IA, é de 92%. Isso cai para 13% no estágio IIIC do mesmo tipo, e, após a metástase, as taxas de sobrevida em cinco anos variam de 10% a menos de 1%, dependendo do estágio.

Além disso, rastrear e identificar o câncer de pulmão é caro e nem sempre gera resultados confiáveis. A radiografia de tórax tem uma alta taxa de falso-negativos, enquanto a tomografia computadorizada com diagnóstico auxiliado por computador tem uma alta taxa de falso-positivos. Estudos anteriores indicaram que 90% dos casos de câncer do pulmão não identificados ocorrem quando se utiliza radiografias de tórax, e os exames de tomografia computadorizada têm dificuldade em identificar câncer do pulmão justos, pequenos e centralizados.

Quinn acredita que sua pesquisa pode levar a um melhor rastreamento e melhores soluções de diagnóstico, potencialmente criando uma grande mudança na detecção de câncer.

“Por enquanto, parece que os cães têm uma melhor capacidade natural de rastrear o câncer do que nossa tecnologia mais avançada”, conta o Dr. Quinn. “Uma vez que descobrimos o que eles sabem e como fazem isso, podemos ser capazes de recuperar o atraso.”

AMERICAN OSTEOPATHIC ASSOCIATION