Notícias

Contato com fumaça de cigarro afeta saúde de fetos

Parar de fumar durante a gravidez pode não ser suficiente para evitar danos ao bebê

O cigarro tem um papel indiscutível no desenvolvimento de câncer de pulmão, entre outros. Muitas vezes causa mutações nos genes, que desencadeiam a doença. Embora o tabagismo materno seja associado ao baixo peso do feto ao nascer, com parto prematuro e a má-formação cerebral e pulmonar, poucos estudos haviam encontrado evidências resultantes da exposição à fumaça.

Um estudo realizado por Stephen Grant, professor de saúde ambiental e ocupacional na University of Pittsburgh e colegas, confirma, porém, que tanto o fumo ativo e a exposição passiva à fumaça de segunda mão por mulheres grávidas levam a alterações genéticas no recém-nascido. Importante: a pesquisa mostra que houve uma frequência semelhante de mutações entre mães fumantes e mães que pararam de fumar depois constatar a gravidez. Os autores concluem que parar de fumar durante a gravidez sem ativamente evitar a exposição ao fumo de segunda mão não protege o feto em desenvolvimento. Os resultados foram publicados no dia 30 de junho em linha da medicina pediátrica no Open Journal.

“Esses resultados apoiam a nossa conclusão anterior de que a mãe passiva, ou secundária, pode causar danos genéticos permanentes no recém-nascido semelhantes aos danos causados pelo tabagismo ativo”, disse Grant.

Grant estudou as mutações no gene conhecido como GPA das células vermelhas do sangue, coletadas no cordão umbilical de bebês de mães expostas à fumaça. Os resultados estão de acordo com estudos anteriores que analisaram os glóbulos brancos do sangue do cordão umbilical de recém-nascido com mutações em HPRT – gene geralmente usado como um biomarcador de exposição a agentes cancerígenos. Esses estudos também documentaram uma correlação entre a exposição materna ao fumo primário e o de segunda mão e o aumento da frequência de mutações no HPRT.

“Utilizando um ensaio diferente, fomos capazes de descobrir um tipo completamente distinto, mas igualmente importante de mutação genética que deve persistir ao longo da vida de uma criança”, disse Grant. Ele concluiu que os ensaios com as mutações no gene devem ser considerados exames complementares, refletindo as mutações que ocorrem através de diferentes mecanismos.

“As mulheres grávidas deveriam não só parar de fumar, mas também cientes de sua exposição ao fumo a partir de outros membros de sua família, no trabalho e em outras situações sociais”, disse Grant.