Notícias

Demissão de diretor do planetário de SP é confirmada

Funcionários do planetário haviam anunciado paralisação das atividades no Domingo, mas voltaram atrás

 

Em funcionamento desde 1957, o planetário Aristóteles Orsini, que fica no Parque do Ibirapuera, é o mais antigo do Brasil

A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo (SVMA) confirmou hoje a demissão de Fernando Nascimento da Silva do cargo de diretor dos planetários de São Paulo, bem como a de Otavio Triverio Dias da função de coordenador de desenvolvimento dos planetários. A demissão, anunciada na sexta feira pelo Diário Oficial do município, teve repercussão na mídia e chegou inclusive a gerar mobilização entre os funcionários dos planetários Aristóteles Orsini, localizado no Ibirapuera, e do Carmo, no parque do mesmo nome.

No domingo, funcionários de ambos os planetários divulgaram uma suspensão temporária das atividades até que Silva fosse reintegrado. Chegou-se a anunciar a suspensão da sessão programada para o horário das 15 h de domingo, uma das mais cheias. A SVMA, porém, entrou em ação e conseguiu demover os funcionários da paralização. A secretaria garante que as sessões das 15h e das 19h ocorreram normalmente e que todas as pessoas que compraram ingressos foram atendidas.

Silva, que estava no cargo há dois anos, diz que só ficou sabendo que seria demitido quando leu na sexta-feira o Diário Oficial. No entanto, a decisão estaria tomada pelo menos desde antes do dia 26 de abril, data em que o Planetário do Ibirapuera recebeu um grande evento de lançamento de um canal de Tv a cabo.

Silva diz que um mal-entendido de comunicação sobre o evento foi o que motivou a ruptura, mas que a relação se desgastou ao longo do tempo. Durante o período em que esteve à frente do cargo, Silva, que é físico de formação, procurou desenvolver várias iniciativas para potencializar a atuação dos planetários como polo de divulgação científica. Mas diz que não recebeu apoio por parte da secretaria, e que houve seguidos cortes de orçamento. “Nós íamos a outras secretarias falar sobre temas como formação de professores, virada cultural, ôninus para estudantes chegarem ao parque, e isso gerava questionamentos, como se fosse insubordinação”, diz.

No período em que Silva ficou no cargo, a Prefeitura começou o processo de privatização do Ibirapuera, num formato que inclui também o observatório Aristóteles Orsini. A secretaria informou que as exonerações não tinham qualquer relação com o plano de concessão dos parques, e que o ajuste é fruto de estudo que vem sendo realizado há alguns meses para agilizar a atuação e os processos internos da pasta.