Notícias

Queimadas na Amazônia podem aumentar derretimento de geleiras andinas

Ao absorver carbono negro e poeira proveniente das queimadas, neve reflete menos luz e derretimento se intensifica

Foto: Felipe Werneck/Ibama

Queimadas na floresta tropical no Sudoeste da Amazônia (que inclui territórios do Brasil, Peru e Bolívia) podem intensificar o derretimento das geleiras tropicais dos Andes, segundo um novo estudo publicado na revista Scientific Reports.

Uma equipe liderada por Newton de Magalhães Neto, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), modelou o possível efeito que a queima de biomassa na Bacia Amazônica poderia ter na geleira boliviana Zongo, usando dados coletados entre 2000 e 2016 sobre episódios de incêndio, movimentos de plumas de fumaça, precipitação e derretimento de geleiras. Eles descobriram que os aerossóis provenientes da queima de biomassa, como o carbono negro, podem ser transportados pelo vento para as geleiras andinas tropicais. Lá, eles são depositados na neve e têm o potencial de aumentar o derretimento das geleiras, porque a neve é escurecida pelo carbono negro ou partículas de poeira e, assim, reflete menos luz (menor albedo).

Focando suas análises nos anos de 2007 e 2010, quando foram registradas as mais intensas temporadas de queimadas na Bacia Amazônica, os autores investigaram a redução do albedo da neve devido ao carbono negro, seja ele sozinho ou misturado com quantidades de poeira previamente instalada na neve. O modelo da equipe mostrou que apenas o carbono negro ou a poeira, sozinhos, têm o potencial de aumentar o derretimento anual das geleiras de 3 a 4%; quando ambos estavam presentes, esse número aumentava para 6%. Se as concentrações de poeira eram altas, a poeira sozinha tinha o potencial de aumentar a fusão anual de 11 a 13% e de 12 a 14% na presença também de carbono negro. Os resultados sugerem que o impacto da queima de biomassa na Amazônia depende da quantidade de poeira na neve.

A pressão exercida pela demanda global por alimentos pode resultar em uma maior expansão da agricultura e do desmatamento brasileiros, resultando em aumento de emissões de carbono negro e de CO2, o que pode impactar ainda mais as geleiras andinas.

Scientific Reports