Notícias

Uso de cigarro eletrônico e hábito de fumar podem aumentar vulnerabilidade a infecção séria por coronavírus, sugerem estudos

Apesar de pouquíssimos estudos sobre o tema, informações de levantamentos feitos na China sinalizam para maior suscetibilidade dos usuários de cigarros e vaporizadores

Shutterstock

O hábito de fumar cigarro e cigarro eletrônico pode aumentar vulnerabilidade ao novo coronavírus, dizem alguns pesquisadores.

Embora não haja muitos estudos que abordem  esse vínculo especificamente, muitas evidências sugerem que o tabagismo suprime a função imune nos pulmões e desencadeia inflamações. Houve muito menos estudos sobre o  vaping, que é outro nome dado ao consumo do cigarro eletrônico, mas pesquisas preliminares sugerem que ele pode  causar danos semelhantes. E fumantes de longa data e usuários de cigarro eletrônico correm um risco maior de desenvolver doenças pulmonares crônicas, que foram associadas a casos mais graves de COVID-19. Os cientistas dizem que, portanto, parece razoável supor que o hábito de fumar – e possivelmente, o vaping – poderia aumentar o risco de desenvolver uma infecção grave pelo coronavírus.

“Todas essas coisas me fazem acreditar que teremos casos mais graves – especialmente em pessoas que são fumantes ou fumantes de longa data”, diz Melodi Pirzada, chefe de pneumologia pediátrica do Hospital Winthrop, da New York University em Long Island.  Ela não tratou os pacientes com COVID-19, “mas é definitivamente bom senso pensar que, uma vez que alguém  tem um histórico de tabagismo ou vaping, todas as vias aéreas, o mecanismo de defesa de seus pulmões  mudam”, diz ela.

Pouquíssimas pesquisas analisaram diretamente se o fumo  ou o vaping aumentam o risco de  sofrer uma infecção grave de COVID-19. Um artigo científico que está em  pré-impressão na China relata a descoberta de que os homens são  um pouco mais propensos do que as mulheres a serem hospitalizados por infecções por coronavírus, e os cientistas dizem que essa observação pode estar relacionada ao fato de que no país, muito mais homens do que mulheres fumam. (O artigo, que não foi revisado por pares, foi retirado porque foi baseado em dados antigos. Ele será substituído por uma versão mais atualizada em breve, escrevem os autores.) Outro estudo, publicado on-line no Chinese Medical Journal, envolveu 78 pacientes com COVID-19 e descobriu que aqueles com histórico de tabagismo tinham um risco 14% maior de desenvolver pneumonia.

Existe uma literatura científica substancial que mostra que fumar inflama os pulmões e suprime a função imunológica. “No caso do fumo tradicional, sabemos que ele inibe a liberação ciliar das vias aéreas”, diz Pirzada. “Temos essas pequenas estruturas conhecidas como cílios, e elas são responsáveis ​​por retirar as toxinas e o muco das vias aéreas e limpar os pulmões quando tossimos. Sabemos que isso é afetado quando alguém fuma ou usa cigarros eletrônicos.”

Durante uma infecção respiratória nos pulmões, a tendência é que haja  um influxo de glóbulos brancos chamados neutrófilos – a primeira linha de defesa para  matar o patógeno – seguido por um influxo de linfócitos – responsáveis ​​pela eliminação da infecção. “Há uma série muito coordenada de eventos que ocorrem quando alguém é infectado por um vírus”, diz Ray Pickles, professor associado de microbiologia e imunologia da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. “Esses são provavelmente os eventos que ocorrem na grande maioria de nós como indivíduos, se estivermos infectados pela gripe ou  pelo SARS-CoV-2”, como é conhecido o novo coronavírus. “Acho que quando  essa sequência de eventos é perturbada de qualquer maneira, é aí que as coisas podem dar errado.”

O tabagismo é um fator de risco conhecido para a gripe, diz Robert Tarran, professor de biologia celular e fisiologia em Chapel Hill. “As pessoas que fumam são imunossuprimidas até certo ponto”, diz Tarran. “Elas produzem mais muco. Também não limpa os pulmões. Existem mudanças pró-inflamatórias e as células imunes também sofrem alterações. Basicamente, tudo isso leva a uma maior probabilidade de que a pessoa contraia o vírus e experimente um quadro pior.”

O risco de infecções virais dos usuários de cigarros eletrônicos  foi pouco  estudado, embora existam alguns estudos epidemiológicos sugerindo que eles têm maior probabilidade de contrair infecções respiratórias, diz Tarran. E estudos com animais fornecem algumas pistas. Os ratos expostos ao aerossol de cigarros eletrônicos e depois inoculados com bactérias como Streptococcus pneumoniae ou influenza A tiveram menor probabilidade de sobreviver. E o hábito de vaping pode interferir na função dos neutrófilos, sugerem alguns estudos. Os cientistas de Chapel Hill mostraram que o uso de cigarros eletrônicos suprime a atividade dos genes de resposta imune e inflamatória nas células nasais – mais ainda do que o fumo tradicional. E um estudo ainda em  pré-impressão descobriu que o gene que codifica o receptor ACE2, que o novo coronavírus usa para infectar células, é mais ativo em fumantes do que em não fumantes.

Obviamente, nenhum desses estudos mostra diretamente que fumar ou usar cigarros eletrônicos  aumente a gravidade das infecções por COVID-19; não está claro até que ponto eles podem ser extrapolados para a atual pandemia. Mas, dado que os dois hábitos  causam danos bem conhecidos  ao sistema imunológico, parece prudente supor que eles possam piorar as infecções por coronavírus.

“Eu acho que uma coisa sensata a ser feita pelas pessoas é parar de fumar e e de usar cigarros eletrônicos – e evitar a exposição involuntária a eles”, diz Stanton Glantz, diretor do Centro de Pesquisa e Educação em Controle do Tabaco da Universidade da Califórnia, em São Francisco. “Não temos todos os detalhes sobre isso”, diz ele. “Mas, com base no que sabemos, geralmente, sobre fumo e e-cigarros – e, em particular, sobre o que aprendemos a respeito do fumo e do  COVID-19 a partir de pessoas que já estão doentes e foram descritas em um estudo na China , é lógico que alguém pode reduzir o risco se  parar de fazer essas coisas. ” Afinal, Glantz acrescenta: “qual é a desvantagem de parar?”